Fale Conosco:
(11) 3682-2106

Devocional

Salmo 18.29

Com o teu auxílio posso atacar uma tropa; com o meu Deus posso transpor muralhas.

O Salmo 18 mostra como podemos vencer o inimigo, nosso adversário, que anda ao nosso redor como um leão rugindo. O versículo 50 diz: “Ele dá grandes vitórias ao seu rei”. Davi estava cercado por inimigos poderosos: eram “fortes demais” para ele (v. 17)! Mas ele os venceu. Não por sua própria força, assim como nós também não conseguimos vencer por nossas forças. Ai de nós quando nos julgamos fortes, como aconteceu com Pedro em Lucas 22, pois logo em seguida virá a queda. Davi tinha aprendido a buscar sua força NELE, no seu Deus. Ele diz: “O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador” (v. 2). Deus me dá força. É Ele quem age, que me ajuda, que realiza. No versículo 30, o salmista revela o segredo de sua vitória. Contigo eu vou conseguir. O que nós precisamos é fi car cheios Dele, isto é, ser encontrados Nele. Efésios 6.10: “Finalmente, fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder”. Com Ele conseguiremos vencer qualquer Golias. Mas sem Ele não faremos nada. João 15.5 afi rma: “pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma”. Só conseguiremos vencer nossos inimigos com a ajuda do Senhor. Viva com Ele hoje!

Texto retirado do livro "Encorajamento para o seu dia a dia | 70 meditações cheias de promessas", de Ernesto Kraft.

https://www.alfaeomega.com.br/products.php?product=Encorajamento-para-o-seu-dia%252da%252ddia%3A-70-meditacoes-cheias-de-promessas

Muitos “assim chamados cristãos” correm dessa forma, acompanhando o rebanho, ou seguem Jesus à distância, como Pedro. É o que a história a seguir ilustra.
Até poucos anos atrás, os frequentadores de uma igreja na Dinamarca tinham um costume: cada um que chegava à porta da igreja fazia uma reverência, curvando-se para a esquerda. Chegou então um pároco novo. Ele viu aquilo e quis saber o motivo para esse gesto. Perguntou aos mais jovens – eles não sabiam. Só tinham visto os mais velhos procedendo assim. Ele perguntou então aos mais idosos – nunca tinham pensado sobre isso. Sabiam apenas que sempre tinha sido assim e provavelmente era necessário continuar agindo da mesma forma. Todos se curvavam, e ninguém sabia por quê. Alguns anos depois, a igreja passou por uma reforma. E então o enigma foi resolvido. Ao arrancar o revestimento de gesso à esquerda da porta da igreja, descobriu-se ali um afresco antigo, mas ainda bem conservado, que retratava a Virgem Maria com o bebê Jesus. Estava explicado! Antigamente, as pessoas curvavam-se diante do quadro; mais tarde, alguém o cobriu com gesso e ele foi esquecido. Mas a reverência continuava sendo prestada, embora por fim ninguém mais soubesse o motivo.
Infelizmente parece inegável que o cristianismo de muitas pessoas segue o mesmo padrão, não é? A pessoa curva-se em oração, mas não sabe direito por quê. Só imita o que outros fazem. Canta o que outros cantam; ora o que outros oram; crê o que outros creem, sem estar convencido do que faz e da verdade daquilo que alega crer.
Mas Jesus deseja compromisso pessoal de cada seguidor, pois ele conhece cada um de nós por nome. Em João 10.3 lemos: … Ele chama as suas ovelhas pelo nome e as leva para fora.
“Quanto a você, siga-me!” Este é o chamado de Jesus também para hoje, e também especificamente para você. O Senhor quer que sigamos somente a ele, não permitindo que pessoas ou circunstâncias nos dirijam. Quem segue a Jesus dessa forma não viverá amarrado pelo pecado ou na escuridão, mas andará na luz, que traz alegria e felicidade.